Dona Sinhá (Laura Cardoso) prova que não está de brincadeira. Muito menos com paciência pra quem ousar atrapalhar seus planos. É do tipo que se atravessar o caminho, atropela. Por isso, é clara e objetiva na hora de mandar um recado para a irmã. Cansada do jeito “docindeleite” de Mocinha (Nivea Maria), Sinhá se irrita ainda mais quando a irmã pede que a vingança contra Tanaka seja esquecida. “Veio, de novo, aporrinhar com esse assunto, Mocinha?”, grita.

As cenas serão exibidas na terça-feira, dia 14

Sinhá pressiona ainda mais a irmã. “Então é isso mesmo? Você se apaixonou pelo assassino do meu filho!”, questiona. Mocinha tenta argumentar e explica que Tanaka (Luis Melo) não pode ser responsabilizado pela morte de Wladimir (Tico Cardoso). “Sinhá, entenda, a história não é exatamente como você acredita. Eu amava o Wladimir, ele era meu sobrinho querido, mas ele tinha problemas graves, de dependência, com jogo, com bebida”, lembra Mocinha. Sinhá até se emociona ao recordar do convívio com o filho. “É, Wladimir era fraco, viciado, dependente de jogo e bebida. E o ‘Kazuo Tanaka’ é um santinho”, retruca com aquele olhar fulminante para Mocinha. Amedrontada, a irmã caçula não tem outra alternativa a não ser continuar a seguir as ordens de Sinhá.

 

Ela ainda tenta se justificar novamente, mas Sinhá é enfática: “Nem pense em me trair! A não ser que você queira fazer companhia ao João Amaro”, avisa. Antes disso, Sinhá segue com os planos e manda Cesar (Rafael Cardoso) encontrar um tradutor juramentado. O objetivo: traduzir os documentos de Tanaka, roubados da caixa que ele guarda a sete chaves escondida no quarto que Mocinha foi obrigada a surrupiar.