A trama se passa nos dias atuais, na fictícia cidade de Sertão. Os jovens Hermano (Gabriel Leone) e Maria (Alice Wegmann) se apaixonam torridamente, mas uma briga os impede de continuarem juntos. Como a chuva do semiárido, que evapora antes de tocar a terra, Nonato (Marco Pigossi), irmão gêmeo de Maria, desaparece misteriosamente. Maria acusa o pai adotivo de Hermano, o poderoso empresário Pedro Gouveia (Alexandre Nero), de ser o responsável pelo sumiço de Nonato e se afasta de sua paixão. Maria e a mãe Cássia (Patrícia Pillar), uma engenheira química, largam tudo no Recife e se mudam para Sertão: vão enfrentar tudo e todos para descobrir o paradeiro do jovem desaparecido. A partir daí, desencadeiam-se os conflitos que movimentam a história: romances interrompidos, rivalidades acirradas, luta por justiça e revelações inesperadas do passado.

A Supersérie estréia dia 24 de abril, terça-feira
Para George Moura, ‘Onde Nascem os Fortes’ “é uma história de como as paixões podem provocar amor e ódio e, frente a determinados impasses, só é possível ir adiante com o perdão. Temos o desaparecimento desse jovem, Nonato, como um ponto de partida da trama. Daí nasce a saga de duas mulheres, Cássia e Maria, mãe e filha, em busca de respostas, numa cidade onde a força, muitas vezes, vale mais que a lei”. “Na estrutura narrativa da supersérie, elegemos três forças motrizes: a terra, o céu e o coração em movimento. Cada uma dessas forças é representada por um personagem – Pedro, Samir (Irandhir Santos) e Maria -, que conduzem o desejo irrefreável de encontrar respostas”, completa. “Partindo do folhetim clássico, a trama de um amor impedido por uma tragédia, desenvolvemos uma história com desdobramentos que mostram o Brasil tal como ele é hoje”, diz Sergio Goldenberg.

As gravações da supersérie tiveram início em outubro de 2017, e ela tem cerca de 60% das cenas feitas em externas e locações no semiárido paraibano. A equipe também rodou sequências no Piauí e em Pernambuco. “O sertão é um espaço mítico, fundador do país, e ele surge como um personagem, se revelando em suas contradições. O embate entre o arcaico e o contemporâneo passa por toda a história de ‘Os Fortes’”, conceitua José Luiz Villamarim.

De George Moura e Sergio Goldenberg, escrita com colaboração de Flavio Araujo, Mariana Mesquita e Claudia Jouvin, ‘Onde Nascem os Fortes’ tem ainda a direção artística de José Luiz Villamarim, direção-geral de Luisa Lima e direção de Isabella Teixeira e de Walter Carvalho, que também assina a fotografia.

 

Foto: Maria (Alice Wegmann) e Hermano (Gabriel Leone)

Crédito: Globo /Estevam Avellar