Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que a população mundial está cada vez mais obesa e que nas próximas duas décadas a má alimentação será responsável por 80% das causas básicas das doenças. Neste cenário alarmante, o consumo de frutas, legumes e verduras é um dos principais indicativos de um modo de vida saudável.

A nova série ‘Fonte da Juventude’ estreia no ‘Fantástico’ que vai ao ar no dia 12

O problema é que 90% das crianças do mundo não comem estes alimentos como deveriam. E, pela primeira vez na história, a expectativa de vida delas é menor que a de seus pais. O ‘Fantástico’ estreia a nova série ‘Fonte da Juventude’, que desvenda o quadro alarmante de má nutrição no país. Com direção de Estevão Ciavatta e narração de Regina Casé, a série mostra, em quatro episódios, os benefícios de uma dieta rica em frutas, verduras, legumes para a promoção da saúde. O material é parte de um documentário, homônimo à série, que será lançado nos cinemas em 2017.

O primeiro episódio de ‘Fonte de Juventude’ lança um desafio: como comer bem independente da sua classe social. Os demais abordam a temática com foco na educação, saúde e meio-ambiente. “Sem restringir dietas, ou mesmo dar receitas, o documentário apresenta a biodiversidade como a chave para conhecermos os segredos da Fonte da Juventude”, diz Ciavatta, ressaltando que os episódios traçam um retrato dos hábitos alimentares dos brasileiros e comprovam que é possível ter uma nutrição saudável no país.

Ciavatta viajou pelos quatro cantos do Brasil a procura de histórias de famílias e comunidades que venceram os desafios de ter uma alimentação saudável usando ingredientes da flora brasileira. Nesta imersão, descobriu que a biodiversidade aliada ao resgate da nossa identidade cultural alimentar é o melhor caminho para a longevidade. Este conhecimento sobre o consumo de espécies nativas locais, passado de geração em geração, se torna um poderoso aliado para viver mais e melhor.

‘Fonte da Juventude’ é uma iniciativa do Novos Urbanos, plataforma de inovação social, e uma produção da Pindorama Filmes. Com o apoio da Fundação Roberto Marinho e do Canal Futura, após a exibição na TV aberta e no cinema, o documentário será transformado em material educativo para ser usado nas escolas.